Quem sou eu

Minha foto
Porque somos feito as estações, sempre mudando...

domingo, 21 de junho de 2020

CHAMADO INTERNO

Silenciar!
Ouvir o coração, perceber as emoções, auscultar a vibração da alma.
Fechar os olhos e se voltar para dentro de si, sem medo de vasculhar memórias e entrar em contato com sua história.
Para conhecer a luz é preciso desbravar as sombras.

Acolher!
Se dar as mãos.
Retornar a casa interna em busca de suas raízes.
Manifestar amor, compaixão, empatia, gentileza, bondade, alegria.
Somos o que sentimos e pensamos, tudo que se passa no interno tem reflexo no externo.

Celebrar!
A vida, a sacralidade do ser.
O fim de um ciclo e o início de outro.
A capacidade de reinventar, de recomeçar todos os dias.
A semente que vence as adversidades e se lança ao encontro da luz.
Curando o passado, honrando o presente e lançando de si novas sementes.

Deixar ir!
O "antigo eu". 
Soltar as cascas, as amarras.
O que não acrescenta, o que limita, aprisiona.
Tudo que envelhece os olhos e a alma.

Despertar!
Se reconectar com sua natureza íntima.
Ouvir o chamado interno de retorno ao lar.
Trilhar o caminho de volta para casa.
É assim que a cura começa...

                                (Foto: Angela Adriano)


segunda-feira, 25 de maio de 2020

ALMA CIGANA

Tem umas duas semanas sonhei com uma cigana que dançava com muita leveza e alegria, ao observar seu rosto fiquei surpresa, ao reconhecer nela, o meu próprio rosto.
Acordei com uma agradável sensação de bem estar, ao procurar na memória detalhes e significado para o sonho senti vontade de escrever e registrar o que estava sentindo.

Ontem, ao pensar em preparar um novo post lembrei do que havia escrito e decidi que seria a nova postagem.
Para ilustrar a postagem eu poderia pegar uma imagem na internet, mas desejei algo mais fiel a sensação que o sonho me deu.
Por isso, não pensei duas vezes, contei o sonho e ideia ao meu neto Kalel vesti uma roupa mais alegre, peguei um lenço e saí rodopiando pelo quintal.
Foi uma sensação muito boa, sem contar que o neto se divertiu, assistindo e fotografando.

Então, hoje te faço um convite:
Feche os olhos, aguça os sentidos e dance comigo!

                                                                                       
"Oh, alma Cigana! Rodopiando ao som do vento, em meio a cores e aroma de  alecrim.
Reverbera aos meus sentidos, tua energia de luz e alegria.
Assim, vou desatando nós, me desfazendo de rótulos, liberando  compartimentos internos e deixando o ar movimentar a energia estagnada.
Desapego. Perdão. Aceitação. Liberdade!

Oh, alma Cigana! Alimenta minha intuição, o despertar das minhas faculdades internas, minha conexão com a mãe terra e com o Sagrado que habita em mim.
Que eu me preencha dessa tua fluidez, dando asas a minha espontaneidade, aos meus sonhos - gestando novas formas  e parindo nova mulher - cada vez que se fizer necessário.
Purificação. Transformação. Renascimento!"

domingo, 3 de maio de 2020

PALAVRAS-SEMENTES

E as palavras caminham por aí, como transeuntes sem rumo.
Algumas cheias de incertezas, medo, raiva.
Outras prontas para falar de amor, esperança, luz.
Tropeço várias vezes ao dia em várias delas - escritas ou faladas - algumas são como gritos aos meus ouvidos, machucam minha sensibilidade. Vazias, desprovidas de bom senso, rudes, disseminando o medo e a raiva.
Outras me chegam tão mansas, espalhando bondade, fé, dando alento ao meu coração.

É certo que escolho ler e ouvir o que me agrada, que condiz com meu pensamento, minha crença, mas é certo também que todas elas estão aí, aos montes e querendo ou não chegam até mim.
Nessa hora preciso silenciar e usar meu filtro interno, para acolher só aquelas que me representam.
E eu que já não vejo noticiário na TV há muito tempo, tenho me poupado de ver também pela internet.
Pois como escreveu Rubem Alves:
"As palavras só têm sentido se nos ajudam a ver o mundo melhor. Aprendemos palavras para melhorar os olhos."

Que saibamos, diante de tudo que está acontecendo, usar as palavras com sabedoria.
Não deixando a dureza do outro impedir nossa delicadeza com a vida, com o próximo e consigo mesmo.
Sejamos condutores de palavras amenas, que confortam, revigoram, acolhem.
Vamos espalhar palavras-sementes, perfumadas, leves, coloridas e melhorar os olhos de quem passa por nós...

(Sônia)
                               Foto de Roze A.

sexta-feira, 10 de abril de 2020

MOSTRAR GRATIDÃO

(Texto e imagem: Nádia Altieri - psicóloga e naturopata)


Hoje senti vontade de tirar uma das cartas do Caminho Sagrado para começar o dia em meditação.
Acredito que como eu, muitos de vocês estão recebendo uma enxurrada de informações de todos os lados.
Silenciar e ouvir o que é valor pra mim nesse momento, tem sido fundamental.
Muitos ainda insistem em colocar sua visão dentro do padrão certo ou errado, quando na verdade o que existe são apenas pontos de vista diferentes.
Enquanto olharmos pra fora, mais perdidos ficaremos.
Agora não é hora de brigar, criticar, se desesperar. Agora é hora de demonstrar gratidão por todos esses novos conhecimentos que estamos adquirindo, esse jeito novo de ver as coisas, para assim, prosseguir com o processo de crescimento.
A Sabedoria, expressa na representação do Escudo do Norte, fala que esse conhecimento que estamos adquirindo, representa um sólido conhecimento interior, que ninguém consegue tirar de nós. Não pode ser vendido, comercializado e nem roubado.
É preciso extrair dessa lição que estamos vivendo, o sentido de realidade que iremos utilizar para o resto da nossa vida daqui pra frente.
Chegou a hora de sermos adultos!
Nunca mais nossa vida será a mesma e só completaremos essa lição, com profundos sentimentos de gratidão.
O dom da sabedoria está no  coração daquele que sabe receber, e a cura, só pode ser revelada aos que estão prontos para ver e para ouvir.
Pense nisso: será que não é hora de começar a agradecer?

Referência:  As Cartas do Caminho Sagrado - Jamie Sams





sábado, 21 de março de 2020

ADOÇANDO

Nesta semana, meus netos, assim como tantos outros, não tiveram aulas e vão continuar sem por algum tempo. Quanto, ainda não sabemos.
Durante a semana, é rotina eles ficarem comigo no período da tarde, mas com as orientações para nos mantermos em casa, eu, que moro em apartamento, optei por ficar a semana com eles em sua própria casa, onde há espaço e quintal para que corram e brinquem.

Quinta-feira, minha filha antes de sair para o trabalho, foi ao mercado e entre as compras trouxe iogurtes e algumas guloseimas que as crianças adoram e orientou que era um pra cada por dia, pois não se sabe com tudo que está acontecendo, como vai ser sair para ir ao supermercado e se vai faltar alguma coisa nas prateleiras.

Neste mesmo dia, quando vou a despensa pegar a lata de arroz e dar início ao almoço, me deparo com este papel colado na porta:


No primeiro instante achei graça, mas logo após pensei: sim, estamos em guerra, todos procurando maneiras de  combater e se proteger de um mesmo inimigo, o coronavírus.

Aqui onde moro, há uma página na internet onde postam de tudo um pouco, principalmente notícias referente ao que acontece na cidade.
Nessa página, eu li muitas mensagens de jovens se oferecendo para irem ao supermercado ou farmácia e assim - idosos ou aqueles que são do grupo de risco - não precisarem sair de casa.

No meio de tantas informações que circulam pelos meios de comunicação, gerando medo e  incerteza, ler algo assim, adoçou meu coração.
Talvez seja essa a lição com tudo isso, desacelerar para sair do deserto interior e olhar ao nosso redor.

E hoje, para adoçar o coração de quem passa por aqui,  compartilho o link do blog da Ana Paula - "lado de fora do coração" - onde ela divide conosco, palavras açucaradas, numa escrita cheia de delicadeza.

Para fechar essa postagem, deixo a foto que meu neto mais velho tirou no início da semana, dizendo ao passar correndo por mim para pegar o celular:
"Vó, o céu tá lindo, preciso tirar uma foto para mostrar pro meu pai e minha mãe."

Façamos como ele, vamos registrar o que é lindo e dividir uns com os outros. Tornando assim, neste momento conturbado, o dia de alguém mais leve e feliz.

Um abraço cheio de esperança a todos que passam por aqui.


terça-feira, 10 de março de 2020

UM PRESENTE CHAMADO BLOG

Outro dia uma conhecida me perguntou como surgiu a ideia do mulheres 4 estações.
Para quem não sabe, o blog surgiu de um café da tarde, entre eu e mais duas amigas. Falávamos - entre outras coisas - sobre a vida, o auto conhecimento, a importância de olhar para dentro de si.
E foi a partir desse café que surgiu a vontade de nos reunirmos mensalmente, com outras amigas, para um bate papo reflexivo e também, a ideia do blog.
O nome foi escolhido pela simbologia das estações com  as várias fases e sentimentos que vivemos. Assim como em cada estação a natureza muda, nós também mudamos e podemos descobrir nossa força e beleza em toda fase por nós vivida.
Eu já gostava de passear por alguns blogs, espaços que visito até hoje. Mas nunca tinha pensado em ter um, até porque, era completamente leiga nesse assunto.
Quando fizeram o blog eu fiquei responsável de elaborar os escritos, mas eu não sabia como postar, muito menos como colocar uma imagem.
Aos poucos, fui pegando o jeitinho e aprendendo a colocar as postagens e escolher as imagens. Quando surgia uma dúvida eu colocava algum tutorial na internet e ia seguindo o passo a passo.
Confesso que me encantei com esse espaço, com a interação que ele me permite com pessoas que não conheço pessoalmente, mas que ainda assim, as vezes vejo algo e me lembro de alguém, de algum espaço que visito.
Por exemplo, como ver um céu lindo ou uma árvore e não lembrar da Chica e seus blogs?
Depois de alguns anos tivemos que finalizar as reuniões, por não conseguir mais conciliar com nossas atividades profissionais, então o blog passou a ser só meu, por pura afinidade.
Hoje, eu sou a única a ter acesso a ele e o considero um presente.
Alguns meses é mais difícil arrumar tempo (ou criatividade) para fazer uma postagem.  Também demoro um pouquinho a visitar alguns  espaços amigos, mas sempre que o faço é com alegria.
O blog permite que eu conheça pessoas e lugares, ainda que virtualmente. Algumas postagens me fazem rir, outras chorar, outras me dão vontade de viajar, de preparar uma receita nova... Cada uma vai me despertando uma emoção, me dando a oportunidade de conhecer coisas novas.
E assim, continuo eu, cuidando desse meu cantinho com muito carinho.

Finalizo esta postagem com Manoel de Barros:

"Hoje eu desenho o cheiro das árvores".


Desejo que esse cheiro se espalhe...


                                Foto de Silvio Adriano

domingo, 16 de fevereiro de 2020

De vez em quando é preciso sair da zona de conforto e experimentar o novo.
Ter um pouco mais de flexibilidade frente os percalços externos ou internos.
Mas acima de tudo, é preciso atenção e sabedoria, para não se demorar onde não cabe você e sua história.

                                 Foto de Rose A.