Quem sou eu

Minha foto
O grupo Mulheres 4 Estações,nasceu do encontro de ideias de 3 mulheres, ao perceberem em si o quanto é prazeroso e enriquecedor a troca de vivencias, já que tantas vezes nos reconhecemos no pensamento e sentimento alheio. Então veio o desejo de compartilhar essa experiencia com outras mulheres..... e assim como a natureza se reveste das estações para se revelar aos nossos olhos,nós nos revestimos do falar e ouvir, para nos revelar a nós mesmas.........

sábado, 29 de agosto de 2015


                                                                   (Imagem google)

 
"A felicidade não entra em portas trancadas." (Chico Xavier)


Ser feliz requer atenção nos detalhes,não depende do outro,mas unicamente de nós.
Na satisfação pelo convívio com a família, amigos,trabalho...
Quanto maior a nossa compreensão de que ela é feita de momentos,da nossa capacidade de aceitação,maior nossa chance de vivencia-la.
Ela também se faz de coisas simples, pequenos prazeres,daqueles que fazem cócegas por dentro mas que muitas vezes nos passam despercebidos.
Às vezes reclamamos de solidão,tristeza...
quando tudo o que precisávamos,era abrir a porta.


E VOCÊ JÁ SENTIU-SE FELIZ HOJE?

Por Soninha - Mulheres4estações

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

5º ENCONTRO

Neste encontro usamos uma fábula de Rubem Alves,que nos proporcionou várias reflexões em torno de dois sentimentos e suas nuances.
Ciúme e inveja.
O que os desperta em nós? 
Como saber reconhecer,aceitar e transformar? 
Como eles afetam quem sente e a quem lhes é direcionado? 
Foi um encontro muito rico,finalizado com entrega de uma rosa para cada uma e a leitura de um texto por uma participante,que de forma amorosa, compartilhou com todas nós.
Abaixo deixamos a fábula para reflexão. 
A PIPA E A FLOR
Um menino confeccionou uma pipa. Ele estava tão feliz, que desenhou nela um sorriso. Todos os dias, ele empinava a pipa alegremente. A pipa também se sentia feliz e, lá do alto, observava a paisagem e se divertia com as outras pipas que também voavam. 
Um dia, durante o seu vôo, a pipa viu lá embaixo uma flor e ficou encantada, não com a beleza da flor, porque ela já havia visto outras mais belas, mas alguma coisa nos olhos da flor a havia enfeitiçado. 
Resolveu, então, romper a linha que a prendia à mão do menino e dá-la para a flor segurar. Quanta felicidade ocorreu depois! 
A flor segurava a linha, a pipa voava; na volta, contava para a flor tudo o que vira. 
Acontece que a flor começou a ficar com inveja e ciúme da pipa. 
Invejar é ficar infeliz com as coisas que os outros têm e nós não temos; ter ciúme é sofrer por perceber a felicidade do outro quando a gente não está perto.
A flor, por causa desses dois sentimentos, começou a pensar: se a pipa me amasse mesmo, não ficaria tão feliz longe de mim... Quando a pipa voltava de seu vôo, a flor não mais se mostrava feliz, estava sempre amargurada, querendo saber com quem a pipa estivera se divertindo. Ficava emburrada. Exigia explicações de tudo.
E a pipa começou a ter medo de ficar feliz, pois sabia que isto faria a flor sofrer.
A partir daí, a flor começou a encurtar a linha, não permitindo à pipa voar alto. Foi encurtando a linha, até que a pipa só podia mesmo sobrevoar a flor. 
A pipa via, ali do baixinho de sobre o quintal as outras pipas lá em cima. E sua boca foi ficando triste. E percebeu que já não gostava mais tanto da flor como no início...
Esta história, segundo conta o autor, ainda não terminou e está acontecendo em algum lugar neste exato momento. 
Há três finais possíveis para ela: 
1 - A pipa percebeu que havia mais alegria na liberdade de antigamente que nos abraços da flor. Porque aqueles eram abraços que amarravam. E assim, num dia de grande ventania, e se valendo de uma distração da flor, arrebentou a linha, e foi em busca de uma outra mão que ficasse feliz vendo-a voar nas alturas... 
2 - A pipa ficou tão triste que resolveu nunca mais voar... 
- “Não vou te incomodar com os meus risos, Flor, mas também não vou te dar a alegria do meu sorriso”.
E assim ficou amarrada junto à flor, mas mais longe dela do que nunca, porque o seu coração estava em sonhos de vôos e nos risos de outros tempos.
A pipa nunca mais sorriu. 
3 - A flor, na verdade, era uma borboleta, que uma bruxa má enfeitiçou e condenou a viver fincada no chão! O feitiço se quebraria no dia em que ela fosse capaz de dizer não à sua inveja e ao seu ciúme, e se sentisse feliz com a felicidade dos outros. E aconteceu que um dia, por encanto, vendo a pipa voar, ela se esqueceu de si mesma por um instante e ficou feliz ao ver a felicidade da pipa. Esse encantamento aconteceu num belo dia de sol: a flor se transformou numa linda borboleta e as duas voaram juntas! 
imagem google

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O BEM QUE NOS ESTÁ RESERVADO

Deveríamos todos ter olhos de amor.
O mundo estaria assim curado de muitos males,as pessoas seriam mais compreensivas,tolerantes,compreendidas e toleradas.
Sim,porque da mesma maneira como olhamos os outros com nosso olhar de julgamentos,centenas de outros olhos se dirigem à nós...
Por mais fortes e o tanto quanto perfeitos
podemos nos julgar,estamos tão expostos aos outros como a natureza à luz do sol
ou às gotas de chuva.
E precisamos também desses olhos de amor que perdoam nossos erros,nossas falhas e acariciam nossa alma quando a vida é dolorida.
Ah,talvez eu sonhe com um mundo perfeito demais onde as pessoas aceitam-se e tornam-se aceitas exatamente como são sem serem classificadas de grandes ou pequenas.
Talvez essa perfeição só exista mesmo
nos olhos de Jesus,como eu mesma,já ouvi algumas vezes e não tivemos
esse privilégio de ser carne do próprio Deus.
Mas somos (e isso não devemos nos esquecer!)criados à imagem e semelhança de quem nos formou e nada impede que sigamos Seus passos.
Nossa força e nossa capacidade vêm do Alto,para onde nos dirigimos com freqüência quando a terra quer fugir dos nossos pés.
E conseguimos assim,dia pós dia,seguir a vida,ultrapassar nossos limites e alcançar o bem que nos está reservado."

(Letícia Thompson)


Por Sonia - Mulheres4estações

sábado, 8 de agosto de 2015

NAVEGAR É PRECISO ....


"Daqui a alguns anos você estará mais arrependido pelas coisas que não fez do que pelas que fez. Então solte suas amarras. Afaste-se do porto seguro. Agarre o vento em suas velas. Explore. Sonhe. Descubra."

______ Mark Twain - Ilustração de Barbara Issa



E quando eu olhar para traz e ver que já não posso mais voltar o tempo ?
Será que eu consegui aproveitar o tempo como poderia ou deveria ?
O que tenho de concreto é o hoje, amanhã é uma promessa e o ontem não me pertence mais.
Estive tempo demais presa em conceitos equivocados, verdades que me entristeciam e valores que eu não comungava. Vou aos poucos, tateando às vezes, soltando as amarras que me prendem a qualquer coisa, quero sentir o vento bater de frente e despentear o meu cabelo. Quero sentir o frio na barriga diante do inesperado, e a satisfação de quem tentou tudo que podia. Viver cada momento, cada segundo desta vida que me foi presenteada e poder no futuro, quem sabe, contar aos meus netinhos o gosto da aventura, sentindo no coração a alegria de quem viveu, sonhou e descobriu seus próprios limites.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

MULHERES EM CÍRCULO



Esse mês o blog da Dra.Cristiane "MULHERES EM CÍRCULO",está fazendo aniversário e para comemorar ela irá sortear dois livros. 

"O tempo Entre Costuras" e Kafka e a Boneca Viajante".

 Para quem não sabe,foram as postagens dos belos Encontros que ela realiza com o grupo "mulheres em círculo",que nos serviu de inspiração para os Encontros que realizamos      mensalmente.  

 Por isso,mais do que divulgar o sorteio, essa é também uma oportunidade de agradecer,pelo  carinho e valiosas dicas que recebemos,quando entramos em contato com ela por e-mail.  Para  conhecer e também participarem do sorteio, acessem http://mulheresemcirculo-luz.blogspot.com.br/ . 
 Conhecer novos espaços, nos dão sempre oportunidade de ver a vida com novos olhares,pois tem    muita coisa boa na blogosfera.
Finalizamos com uma frase bem oportuna para esse post.


 "Há duas maneiras de espalhar a luz: ser a vela ou o espelho que a reflete".
 (Edith Wharton)

domingo, 2 de agosto de 2015



"A vida não dá e nem empresta, não se comove e nem se apieda. Tudo quanto ela faz é retribuir e transferir aquilo que nós lhe oferecemos"
(Albert Einsten)





Que o mês de Agosto traga muito perfume e colorido em nossas vidas!
Por Carol - mulheres4estacoes