Quem sou eu

Minha foto
O grupo Mulheres 4 Estações,nasceu do encontro de ideias de 3 mulheres, ao perceberem em si o quanto é prazeroso e enriquecedor a troca de vivencias, já que tantas vezes nos reconhecemos no pensamento e sentimento alheio. Então veio o desejo de compartilhar essa experiencia com outras mulheres..... e assim como a natureza se reveste das estações para se revelar aos nossos olhos,nós nos revestimos do falar e ouvir, para nos revelar a nós mesmas.........

domingo, 19 de junho de 2016

QUAL A MINHA IDADE?

No encontro desse mês, vimos um vídeo que nos possibilitou falar sobre a juventude interna.
Sobre a ideia que se tem, de que envelhecer significa abrir mão de atividades e coisas que  são prazerosas.
Falamos o que a maturidade nos trouxe até aqui, da importância da aceitação e amor a si mesma diante do espelho.
Foi uma conversa regada a bom humor, que nos deixou ainda mais conscientes do que cada fase vivida, representa para nós atualmente.
E para terminar o post de hoje, nada melhor do que as palavras de Cora Coralina

Um repórter perguntou à Cora Coralina o que é viver bem.

Ela lhe disse:
Eu não tenho medo dos anos e não penso em velhice. E digo pra você, não pense.
Nunca diga estou envelhecendo, estou ficando velha. Eu não digo. Eu não digo que estou velha, e não digo que estou ouvindo pouco.
É claro que quando preciso de ajuda, eu digo que preciso.
Procuro sempre ler e estar atualizada com os fatos e isso me ajuda a vencer as dificuldades da vida. O melhor roteiro é ler e praticar o que lê. O bom é produzir sempre e não dormir de dia.
Também não diga pra você que está ficando esquecida, porque assim você fica mais.
Nunca digo que estou doente, digo sempre: estou ótima. Eu não digo nunca que estou cansada.
Nada de palavra negativa. Quanto mais você diz estar ficando cansada e esquecida, mais esquecida fica. Você vai se convencendo daquilo e convence os outros. Então, silêncio!
Sei que tenho muitos anos. Sei que venho do século passado, e que trago comigo todas as idades, mas não sei se sou velha, não. Você acha que eu sou?
Posso dizer que eu sou a terra e nada mais quero ser. Filha dessa abençoada terra de Goiás. Convoco os velhos como eu, ou mais velhos que eu, para exercerem seus direitos. Sei que alguém vai ter que me enterrar, mas eu não vou fazer isso comigo.
Tenho consciência de ser autêntica e procuro superar todos os dias minha própria personalidade, despedaçando dentro de mim tudo que é velho e morto, pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes.
O importante é semear, produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade. Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça. Digo o que penso, com esperança.
Penso no que faço, com fé. Faço o que devo fazer, com amor. Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende.
Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.
(Cora Coralina)

                                         (imagem google)

22 comentários:

  1. Sonia , suas publicações são sempre de aprendizado . Cora Coralina foi uma mulher especial . Deveríamos ler todas manhãs seus conselhos e poemas . Obrigada . Beijos

    ResponderExcluir
  2. Bela a sua escolha...é sempre bom refletirmos sobre assuntos que nos podem deixar bem mais felizes!!!
    bj amigo

    ResponderExcluir
  3. Especialíssima Cora... " lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes."
    Feliz semana para todos! Um abraço caloroso de esperança.

    ResponderExcluir
  4. Boa noite Sónia,
    Muito obrigada pela sua visita e comentário.
    Adorei o seu "post".
    A velhice está na nossa mente e não podemos deixar que ela nos domine.
    Cada idade tem o seu tempo e suas belezas e há que aceitar com naturalidade cada estação.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  5. Um tema interessantíssimo que preocupa, principalmente quando vemos idosos que tudo deram e agora se veem abandonados e esquecidos pelos filhos, Sempre pensamos que connosco vai ser diferente, que os nossos filhos nunca serao capazes de nos abandonar, mas, o melhor é não confiarmos demais, Nunca me preocupei com a velhice, mas quando voltei do Brasil em Janeiro onde passei três meses com os meus pais, comecei a pensar nela com mais preocupação. A minha mae esteve muito mal, mas tem recuperado bem e não me preocupa, mas o meu pai sim Ele teve 3 AVC e ficou muito debilitado fisicamente e alem disso sofre de demencia; o que me deixa muito triste é vê-lo apagado, sem vida e não conhecendo as pessoas mais intimas na maioria das vezes. Tem 88 anos e felizmente pode ter enfermeiras de dia e de noite, além da empregada diária A minha mãe tem 86 e ainda está lúcida, mas, quando olho para o que os anos fizeram com eles não posso deixar de ter algum receio. Quando voltei do Brasil fiquei muito triste por ver que o meu pai nao sabia que vinha de avião; ha dias disse ao meu irmão que queria ir ao dentista de Braga ( Portugal ) É muito triste, amiga quando a velhice nos tira a lucidez: não me importo com as rugas, as artroses, e reumatismos, mas tenho medo da demência e do abandono, Mas, interessa pensar nisso? Não! Então o melhor é viver um dia de cada vez semeando sorrisos e carinho. Pensando nisso resolvi já há muito fazer voluntariado ( palavras e afetos ) e todas as terças e quintas visito uma idosa de 88 anos viúva, sem filhos e sem familia cá nesta cidade; está muito lúcida e movimenta-se relativamente bem. Faço-lhe companhia e resolvo alguns assuntos que são dificeis para ela. Adorei as palavras de Cora Coralina; um exemplo a seguir. Obrigada, amiga, pelo tema e , vamos lá. .. aproveitar a vida, vivendo cada instante como se fosse o último. Um beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  6. Que lindo Sonia, imagino como deve ter sido enriquecedor esse encontro!
    Num mundo que valoriza a juventude eterna, o envelhecimento não tem lugar, não é?
    Mas o que seria de nos sem a experiência dos anos? Saber lidar com o tempo que passa é uma arte.
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Eu penso que é um privilégio chegar a maturidade. São tantas história de vida.Se amar e se aceitar é o melhor passo para continuar esta jornada.Lindas palavras de Cora e as suas. Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Eu penso que é um privilégio chegar a maturidade. São tantas história de vida.Se amar e se aceitar é o melhor passo para continuar esta jornada.Lindas palavras de Cora e as suas. Beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Olá Sonia
    Muito sabia Cora, as palavras delas são verdadeiros manás para nos espelhar,
    bjs

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Belo encontro, pena que só qdo ficamos maduras temos noção de tantas coisas, e infelismente não podemos passar para os filhos e netos, cada um tem a sua própria experiência,carregamos conosco nossas alegrias e destribuindo amor enquanto temos forças!
    bjs

    ResponderExcluir
  11. Perfeitamente, a vida é feita de escolhas. As palavras que mais me tocaram, pois me identifiquei e pratico: "Então, silêncio!" Pois é, falar pouco é um dos segredos do bem viver. Eu penso assim.
    E sabe aquele filme italiano A vida é bela? Então, sempre procurando ver o que há de melhor, com bom humor e divertimento. Mas eu sei, não é fácil. Mas quando praticamos com disciplina, fica muito mais fácil.
    Sônia, mais uma leitura excelente, com muitos pontos para reflexão.
    Um beijo querida, boa noite.

    ResponderExcluir
  12. Querida Sônia,

    Aprecio muito a poética sábia da
    Cora Coralina (Mestra no Ser...),
    mas ler esta entrevista foi um
    presente raro, que caminho
    luminoso de Ser!...
    Grata pela preciosa partilha!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  13. OI SÔNIA!
    UMA BONITA E CONSCIENTE FORMA DE SE VER PERANTE A VIDA.
    FIZESTE UMA PARTILHA QUE ENRIQUECE QUEM A LER.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. A idade deve ser abraçada e reconhecida com alegria realista!
    Um texto muito bom da Cora Coralina, grande mulher em simplicidade e vida exemplar...
    Um abraço

    ResponderExcluir
  15. Obrigada pela partilha deste texto de Cora Coralina.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  16. Oi querida amiga, vim lhe desejar uma ótima semana!!
    Desculpe a ausência!! Tentarei visitar os blogs amigos assim que possível!!
    Abraços e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  17. Viver é um milagre, envelhecer é uma benção. Quantos que nem conseguiram chegar a metade do caminho. Cada idade tem a sua beleza, mesmo que a pessoas não enxergam isso. Lindo o pensar da Cora Coralina, sou fã dos escrito dela.
    Um beijo e ótima semana!

    ResponderExcluir
  18. Olá Sônia,

    Com certeza, foi um encontro muito agradável e enriquecedor. Manter a jovialidade do espírito leva a um envelhecimento sem traumas. Precisamos aceitar a velhice e entender que cada estação da vida tem seu encanto. Cora Coralina mostra muita sabedoria em suas palavras, de onde podemos extrair lições importantes para a arte de bem viver.
    Excelente partilha!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  19. Um texto maravilhoso... e uma grande lição de vida!...
    A verdadeira velhice passará por um estado de apatia da alma... o que jamais será o seu caso... tenha a idade que tiver a Cora...
    Curiosamente... vejo muita gente nova assim... apática...
    Um post extraordinário!
    Grata pela partilha!
    Beijos
    Ana

    ResponderExcluir
  20. http://anna-historias.blogspot.com.es/.
    Te mando mi blog si quieres darle un vistazo gracias

    ResponderExcluir