Quem sou eu

Minha foto
O grupo Mulheres 4 Estações,nasceu do encontro de ideias de 3 mulheres, ao perceberem em si o quanto é prazeroso e enriquecedor a troca de vivencias, já que tantas vezes nos reconhecemos no pensamento e sentimento alheio. Então veio o desejo de compartilhar essa experiencia com outras mulheres..... e assim como a natureza se reveste das estações para se revelar aos nossos olhos,nós nos revestimos do falar e ouvir, para nos revelar a nós mesmas.........

terça-feira, 30 de maio de 2017

TERCEIRO ENCONTRO

Tivemos nosso encontro na semana passada. Foi um momento de grande acolhimento e afetividade.
Como o conto que usamos é um tanto longo - mas tenho certeza que vale a leitura - não vou comentar sobre as reflexões da roda de conversas.
Mas desejo que ao ler, sinta dentro de si, a brandura e a alegria, de quem acaba de despertar.

          BRUXAS E COMO DESFAZÊ-LAS 
                 
Quem não sabe ficar sozinha acaba virando Bruxa. Bruxas são seres opacos, que vivem orbitando seres radiantes. Por isto se vestem de preto. Desativaram seus dinamismos de irradiação. Congelaram-se e não têm calor próprio. Precisam a todo instante de calor alheio e vivem distribuindo baldes de água fria.
Têm medo de seu próprio calor, e por isso vivem sendo queimadas em fogueiras. Têm medo de se aquecer e derreter. Têm medo do sol e vivem voando à luz fria da lua.
Vivem se metendo onde não são convidadas, pois suas casas são sempre muito mal arrumadas. Suas vassouras não cuidam da casa nem alisam o chão. Suas vassouras são cavalos secos que transportam inveja. Inveja que seca os pássaros e tudo o que seja caro a qualquer criatura.

Têm verdadeiro ódio de serem esquecidas. E por isso enfeitiçam as pessoas. Modo macabro de se fazerem presentes. É como se dissessem:
– Não te esquecerás nunca de mim e sempre que qualquer coisa começar a te aquecer com seu lado encantado, eu te congelarei de medo. É preciso que fiques sozinha como eu. Para que tua solidão me faça companhia.

Têm medo da chuva e de tudo o que possa umedecer e fertilizar a terra e dar vida a qualquer semente. Por isso são secas e enrugadas. Secam até os sapos, que são bichinhos que gostam de chuva e podem se transformar em príncipes.
Bruxas são seres que desistiram de toda beleza. Murcharam. E que culpam as outras pessoas por isso. Tornaram-se feias por abrir mão de toda bondade. Secaram. Vestiram trapos de escárnio para ostentar todo seu ressentimento. Tornaram-se más para não sentir culpa. Foram vencidas pelo medo de não serem amadas. Encrespadas proclamam:
– Não sou amada porque não quero. Prefiro ser feia e ruim.

Não suportaram o risco de serem ou não amadas. Desistiram e, por um artifício defensivo do orgulho, preferem se destacar por qualquer coisa de feio. Colocam verrugas no nariz.
Bruxas cozinham em caldeirões de seu próprio ser, fétidas misturas de covardia e pretensões. Covardia, pois tendo fugido do amor preparam vinganças à traição. Pretensão, pois tendo se afastado do amor, querem por força permanecer dentro dos outros. Se encheram de reclamações contra o mundo e perderam a possibilidade de se encantar. Bruxas não vibram, estremecem. Não adormecem nem podem despertar. As bruxas estão congeladas de medo. Por isso gostam tanto de assustar os outros.

Para desfazer uma bruxa, são necessários uma montanha de brandura, dois lagos de tranquilidade e uma floresta de algodão. Uma montanha de brandura para acolher todas as chispas, fagulhas e faíscas com que uma bruxa te recebe. Para que não te magoem todos os acessos de ruindade com que uma bruxa procura escapar do tédio. Não te magoes, pois isto poderia fazê-la se aproximar da culpa e refugiar-se na maldade. Branduras que possam ampará-la ao cair da vassoura. Se não fores indiferente, cairá ao não conseguir te ferir. Com isto ela estará encurralada no tédio. Não poderá escapar via maldades. Aqui começa o caminho de volta de uma bruxa. E começarão as angústias. Pois debaixo de cada pedra de tédio existem angústias. Tédios são desvios errôneos com que se buscou evitar sofrimentos. Por esta estrada de volta, as primeiras paisagens são nuvens carregadas de culpa. Todas, muitas e a mais grave: o que fez a si mesma.

Por esta altura já se farão necessários os dois lagos de serenidade. Com suas águas poderás acompanhá-la por todos os abismos, depressões e grotas congeladas que constituem seu desespero. De ter ido tão longe. De ter cultivado tanto ódio, tanta inveja, tanta covardia, tanto orgulho. De se Ter afastado tanto do amor.
Não a deixes sozinha nestas paragens geladas. Ela começa a sentir frio. E esta é a única maneira de se degelar. Não se abandona ninguém, nunca, durante a nevasca. Há riscos de que se perca na neve. Terás de acompanhá-la como a água dos lagos. Água não teme cair. Água não quebra, não tem forma própria. E terás de cair, cair, cair. Como a chuva.

Por fim, num vale em fim de inverno, com a floresta de algodão se tecerá um casulo. Para que a quase ex-bruxa possa se aquecer muito, muito devagar. Mas devagar mesmo, pois que a têmpera do amor é tal que sua força jaz em poder amolecer, derreter e não perder forma.
Do casulo há de sair uma linda borboleta de primavera.
No verão, a borboleta-quase-mulher aprenderá a tecer ninho com as andorinhas. E a guardar tanto calor em seu ventre-colo-seio que será capaz de gerar, aquecer e alimentar sementes e esperanças quando chegar o outono.
Com a proximidade do inverno, há de se lembrar da avozinha que sabia – imaginem! – ficar sozinha. E tricotar. E lembrar. E contar histórias.

Sabem como a avozinha terminaria esta estória (história)? Ela diria:
– E por aquela porta acabou de ir embora uma bruxa. E por esta janela se podem ouvir os pássaros e ver o céu. – E aqui dentro quem procurar… Encontra uma mulher.

(PAULO BARROS)

                          (imagem google)

domingo, 21 de maio de 2017

A ADIADA ENCHENTE

Velho, não.
Entardecido, talvez.
Antigo, sim.
Me  tornei  antigo
porque a vida,
tantas vezes, se demorou.
E  eu a esperei
como  um  rio  aguarda  a  cheia.
Gravidez de fúrias e cegueiras,
os bichos perdendo o pé,
eu perdendo as palavras.
Simples espera
daquilo que não se conhece
e, quando se conhece,
não se sabe o nome 
( Mia couto )
                          (Foto de Tais A.)