Quem sou eu

Minha foto
O grupo Mulheres 4 Estações,nasceu do encontro de ideias de 3 mulheres, ao perceberem em si o quanto é prazeroso e enriquecedor a troca de vivencias, já que tantas vezes nos reconhecemos no pensamento e sentimento alheio. Então veio o desejo de compartilhar essa experiencia com outras mulheres..... e assim como a natureza se reveste das estações para se revelar aos nossos olhos,nós nos revestimos do falar e ouvir, para nos revelar a nós mesmas.........

sexta-feira, 28 de abril de 2017

SEGUNDO ENCONTRO

No encontro desse mês, algumas não puderam participar, ainda assim, a conversa foi muito agradável e proveitosa.
O conto que usamos nos deu oportunidade de falar sobre as expectativas que criamos em relação ao outro.
Nossas buscas, aquilo que desejamos e depois percebemos que não eram tão importantes.
O convívio com pessoas que nos sugam as energias, exigem mais do que somos capaz de dar e nos causam um tremendo cansaço interno. O que fazer?
Somos tecelãs do nosso destino, cabe a nós a escolha. Mas nem sempre é fácil cortar o fio, desfazer os nós e começar uma nova história...

                          (imagem retirada do google)

                          A MOÇA TECELà( Marina Colasanti )

Acordava ainda no escuro, como se ouvisse o sol chegando atrás das beiradas da noite. E logo sentava-se ao tear.
Linha clara, para começar o dia. Delicado traço cor de luz, que ela ia passando entre os fios estendidos, enquanto lá fora a claridade da manhã desenhava o horizonte.
Depois lãs mais vivas, quentes lãs iam tecendo hora a hora, em longo tapete que nunca acabava.
Se era forte demais o sol, e no jardim pendiam as pétalas, a moça colocava na lançadeira grossos fios cinzentos de algodão mais felpudo. Em breve, na penumbra trazida pelas nuvens, escolhia um fio de prata, que em pontos longos rebordava sobre o tecido. Leve, a chuva vinha cumprimentá-la à janela.
Mas se durante muitos dias o vento e o frio brigavam com as folhas e espantavam os pássaros, bastava a moça tecer com seus belos fios dourados, para que o sol voltasse a acalmar a natureza.
Assim, jogando a lançadeira de um lado para o outro e batendo os grandes pentes do tear para frente e para trás, a moça passava os seus dias.
Nada lhe faltava. Na hora da fome tecia um lindo peixe, com cuidado de escamas. E eis que o peixe estava na mesa, pronto para ser comido. Se sede vinha, suave era a lã cor de leite que entremeava o tapete. E à noite, depois de lançar seu fio de escuridão, dormia tranquila.
Tecer era tudo o que fazia. Tecer era tudo o que queria fazer.
Mas tecendo e tecendo, ela própria trouxe o tempo em que se sentiu sozinha, e pela primeira vez pensou como seria bom ter um marido ao seu lado.
Não esperou o dia seguinte. Com capricho de quem tenta uma coisa nunca conhecida, começou a entremear no tapete as lãs e as cores que lhe dariam companhia. E aos poucos seu desejo foi aparecendo, chapéu emplumado, rosto barbado, corpo aprumado, sapato engraxado. Estava justamente acabando de entremear o último fio da ponta dos sapatos, quando bateram à porta.
Nem precisou abrir. O moço meteu a mão na maçaneta, tirou o chapéu de pluma, e foi entrando na sua vida.
Aquela noite, deitada contra o ombro dele, a moça pensou nos lindos filhos que teceria para aumentar ainda mais a sua felicidade.
E feliz foi, durante algum tempo. Mas se o homem tinha pensado em filhos, logo os esqueceu. Porque, descoberto o poder do tear, em nada mais pensou a não ser nas coisas todas que ela  poderia lhe dar.
- Uma casa melhor é necessária, -- disse para a mulher. E parecia justo, agora que eram dois. Exigiu que escolhesse as mais belas lãs cor de tijolo, fios verdes para os batentes, e pressa para a casa acontecer.
Mas pronta a casa, já não lhe pareceu suficiente. – Para que ter casa, se podemos ter palácio? – perguntou. Sem querer resposta, imediatamente ordenou que fosse de pedra com arremates em prata.
Dias e dias, semanas e meses trabalhou a moça tecendo tetos e portas, e pátios e escadas, e salas e poços. A neve caía lá fora, e ela não tinha tempo para chamar o sol. A noite chegava, e ela não tinha tempo para arrematar o dia. Tecia e entristecia, enquanto sem parar batiam os pentes acompanhando o ritmo da lançadeira.
Afinal o palácio ficou pronto. E entre tantos cômodos, o marido escolheu para ela e seu tear o mais alto quarto da mais alta torre.
- É para que ninguém saiba do tapete, -- disse. E antes de trancar a porta à chave, advertiu: -- Faltam as estrebarias. E não se esqueça dos cavalos!
Sem descanso tecia a mulher os caprichos do marido, enchendo o palácio de luxos, os cofres de moedas, as salas de criados. Tecer era tudo o que fazia. Tecer era tudo o que queria fazer.
E tecendo, ela própria trouxe o tempo em que sua tristeza lhe pareceu maior que o palácio com todos os seus tesouros. E pela primeira vez pensou como seria bom estar sozinha de novo.
Só esperou anoitecer. Levantou-se enquanto o marido dormia sonhando com novas exigências. E descalça, para não fazer barulho, subiu a longa escada da torre, sentou-se ao tear.
Desta vez não precisou escolher linha nenhuma. Segurou a lançadeira ao contrário, e, jogando-a veloz de um lado para o outro, começou a desfazer o seu tecido. Desteceu os cavalos, as carruagens, as estrebarias, os jardins. Depois desteceu os criados e o palácio e todas as maravilhas que continha. E novamente se viu na sua casa pequena e sorriu para o jardim além da janela.
A noite acabava quando o marido, estranhando a cama dura, acordou e, espantado, olhou em volta. Não teve tempo de se levantar. Ela já desfazia o desenho escuro dos sapatos, e ele viu seus pés desaparecendo, sumindo as pernas. Rápido, o nada subiu-lhe pelo corpo, tomou o peito aprumado, o emplumado chapéu.
Então, como se ouvisse a chegada do sol, a moça escolheu uma linha clara. E foi passando-a devagar entre os fios, delicado traço de luz, que a manhã repetiu na linha do horizonte.

terça-feira, 4 de abril de 2017

PARA MINHA MÃE

Mãe! 
Se ainda estivesse entre nós, hoje seria seu aniversário. Mais de vinte anos que você se foi e quanta saudade deixou. 
Hoje, pensando em você, me questionei se poderia ter te amado mais. 
Nunca perguntei se era feliz com a vida que tinha, qual sua música preferida, nem te contei sobre meus sonhos.
Também nunca te falei de como eram deliciosos os doces que fazia, a macarronada de domingo, os passeios ao  zoológico.
Sempre fomos tão próximas e ao mesmo tempo tão distantes, você nunca foi de falar sobre si, eu, segui o mesmo caminho e tão pouco falei de mim. 
De repente, soube que estava doente, evoluiu tudo tão rápido. 
Lembro um dia de  perguntar se estava com medo da morte, você disse que não, mas que iria sentir muitas saudades dos filhos e netos.

Foi tanto amor e aceitação que vi nos seus olhos que pela primeira vez eu disse em palavras, te amo.
Quando você partiu, ficou um buraco tão grande em mim que minha mente apagou muitas lembranças. 
Eu tentava recordar momentos, conversas  e não conseguia, foi preciso um longo tempo para voltarem a habitar minha memória.
Eu me perguntava:  porque não  falei mais vezes que te amava? 
A verdade é que havia um certo constrangimento em falar sobre isso. 
Você também nunca nos falou de amor,  mas eu sempre me senti amada, acarinhada e sei que meus irmãos sentiam o mesmo. 
Enquanto te escrevo, recordo uma poesia de Adélia Prado "...aquele dia de noite, o pai fazendo serão, ela falou comigo: 
"Coitado, até essa hora no serviço pesado."
Arrumou pão e café , deixou tacho no fogo com água quente.
Não me falou em amor.
Essa palavra de luxo."
Assim, era você mãe, embora não o dissesse, se vestia de amor todos os dias e tão feliz nos fazia. 
Gratidão e amor eterno. 

(Sônia A.)

                                   (imagem do google)

sábado, 1 de abril de 2017

ENCONTRO

Ontem, tivemos nosso primeiro encontro do ano.
Cada uma de nós escreveu num papelzinho, uma palavra que tinha relação com seu momento atual.
Elas foram embaralhadas e distribuídas novamente de forma aleatória.
Esperança, renovação, amor, dor, ansiedade, projetos, coragem. Foram as palavras que deram inicio à nossa roda de conversas.
Foi muito bom ouvir da outra o significado que tinha pra ela , aquilo que escrevemos. 
Foi uma forma de ver, determinado assunto, sob um prisma diferente.
Muitas vezes, através do olhar, da experiencia e vivencia do outro, conseguimos perceber algo que para nós não estava claro. Nos reconhecemos e nos encontramos no olhar do outro. 
Foi um momento de acolhimento entre todas nós.
Finalizamos com uma roda de energia e visualização, exercício que nos proporcionou uma sensação de bem estar físico e mental.
Após, pudemos desfrutar de um saboroso lanche e um bate papo bem descontraído.
               
(foto:arquivo pessoal)

"Há gente que,
 em vez de destruir, 
 constrói;
 em lugar de invejar, 
 presenteia;
 em vez de envenenar,
 embeleza;
 em lugar de dilacerar, 
reúne e agrega."
(Lya Luft)


domingo, 19 de março de 2017

UMA GARÇA NOS MEUS OLHOS

Ficamos num balé, dois passos meus de puro silêncio e um passo dela de graciosidade aérea. Numa proximidade de encantos os meus olhos fotografavam seus movimentos, sua plumagem, sua delicadeza trilhada numa liberdade partilhada comigo.

O solo, o arrecifes, com ondas finas e delicadas a nos tocar...

A música do mar nos isolava numa sintonia misteriosa e sagrada, que me dava à certeza, que estes momentos mágicos imprimem a poesia por dentro, a consagrar o milagre do encontro.

Foi quando disse mentalmente para ela, que não iria abusar deste tempo mágico concedido; pedi-lhe para quando voasse, me levasse junto. Ela entendeu o meu pedido, compreendendo os limites de quem não tem asas.

Distante, olhei para trás: encontro de olhares, e, ela voou e eu fechei os olhos. O meu pedido foi realizado.

Caminhei com uma garça nos meus olhos no decorrer dos dias...
(Suzete Brainer)


Quando li o poema da Suzete, do blog " o piano que toca poesia" além de me identificar com a leitura, lembrei de uma foto que recebi da minha amiga, Andrea. O poema me fez voar, trouxe lembranças de uma amizade muito querida e verdadeira, por isso quis juntar os dois aqui, palavras e imagem.


          (foto de Andrea Giovanna)

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

O QUE A MEMÓRIA AMA, FICA ETERNO

Quando eu era pequena, não entendia o choro solto de minha mãe ao assistir a um filme, ouvir uma música ou ler um livro.
O que eu não sabia é que minha mãe não chorava pelas coisas visíveis. Ela chorava pela eternidade que vivia dentro dela e que eu, na minha meninice, era incapaz de compreender.
O tempo passou e hoje me emociono diante das mesmas coisas, tocada por pequenos milagres do cotidiano.
É que a memória é contrária ao tempo. Nós temos pressa, mas é preciso aprender que a memória obedece ao próprio compasso e traz de volta o que realmente importou, eternizando momentos.
Crianças têm o tempo a seu favor e a memória muito recente. Para elas, um filme é só uma animação; uma música, só uma melodia. Ignoram o quanto a infância é impregnada de eternidade.
Diante do tempo envelhecemos, nossos filhos crescem, muita gente se despede. Porém, para a memória ainda somos jovens, atletas, amantes insaciáveis. Nossos filhos são nossas crianças, os amigos estão perto, nossos pais ainda são nossos heróis.
A frase do título é de Adélia Prado: “O que a memória ama, fica eterno”. Quanto mais vivemos, mais eternidades criamos dentro da gente.
Quando nos damos conta, nossos baús secretos_  porque a memória é dada a segredos _ estão recheados daquilo que amamos, do que deixou saudade, do que doeu além da conta, do que permaneceu além do tempo.
Um dia você liga o rádio do carro e toca uma música qualquer, ninguém nota, mas aquela música já fez parte de você _  foi a trilha sonora de um amor, embalou os sonhos de uma época ou selou uma amizade verdadeira  _ e mesmo que os anos tenham se passado, alguma parte de você se perde no tempo e lembra alguém, um momento ou uma história.
Ao reencontrar amigos da juventude nos esquecemos que somos adultos e voltamos a nos comportar como meninos cheios de inocência, amor e coragem.
Do mesmo modo, perto de nossos pais seremos sempre “as crianças”, não importa se já temos 30, 40 ou 50 anos. Para eles a lembrança da casa cheia, das brigas entre irmãos, das histórias contadas ao cair da noite… serão sempre recentes, pois têm vocação de eternidade.
Por isso é tão difícil despedir-se de um amor ou alguém especial que por algum motivo deixou de fazer parte de nossas vidas.
Dizem que o tempo cura tudo, mas talvez ele só tire a dor do centro das atenções. Ele acalma os sentidos, apara as arestas, coloca um band-aid na ferida. Mas aquilo que amamos tem disposição para emergir das profundezas, romper os cadeados e assombrar de vez em quando.
Somos a soma de nossos afetos, e aquilo que nos tocou pode ser facilmente reativado por novos gatilhos _ uma canção cala nossos sentidos; um cheiro nos paralisa lembrando alguém; um sabor nos remete à infância.
Assim também permanecemos memórias vivas na vida de nossos filhos, cônjuges, ex amores, amigos, irmãos. E mesmo que o tempo nos leve daqui, seremos eternamente lembrados por aqueles que um dia nos amaram.                       (Fabíola Simões)
    
                        (imagem google)


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

HUMILDADE

Senhor, fazei com que eu aceite
minha pobreza tal como sempre foi.
Que não sinta o que não tenho.
Não lamente o que podia ter
e se perdeu por caminhos errados
e nunca mais voltou.
Dai, Senhor, que minha humildade
seja como a chuva desejada
caindo mansa,
longa noite escura
numa terra sedenta
e num telhado velho.
Que eu possa agradecer a Vós,
minha cama estreita,
minhas coisinhas pobres,
minha casa de chão,
pedras e tábuas remontadas.
E ter sempre um feixe de lenha
debaixo do meu fogão de taipa,
e acender, eu mesma,
o fogo alegre da minha casa
na manhã de um novo dia que começa.”
(Cora Coralina)
                                (imagem: arquivo pessoal)


terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Essa pergunta às vezes me inquieta...

"Você vive hoje uma vida que gostaria de viver por toda eternidade?"
(Friedrich Nietzsche)


sábado, 7 de janeiro de 2017

PALAVRAS

Por duas vezes sentei para escrever a primeira postagem do ano, várias ideias e ainda assim não conseguia formar frase alguma.
Uma ausência de palavras.
Algumas passearam por minha mente - solitárias - dispersas entre lembranças e sentimentos.
Constato mais uma vez que faço um plano e a vida traça outro, leva o que imaginei e traz o que de fato preciso, mesmo que eu não perceba isso de imediato. 
Sentia na alma uma certa inquietude, como quando se sente no ar uma sutil diferença antes da tempestade cair.
Eu sabia, alguma mudança estava a caminho.
Quando chegou não alterou minha rotina, mas se fez um silêncio aqui dentro do peito.
Veio a necessidade de um tempo para entender alguns vazios, despir o cansaço interno, compreender as escolhas alheias.
E agora, enquanto rabisco uma folha de caderno envolta em reflexões, ouço um murmurinho, são as palavras que acordam.
Ainda sonolentas escorregam e descansam sobre o papel.

(Sônia A.)


                                          (imagem google)