Quem sou eu

Minha foto
O grupo Mulheres 4 Estações,nasceu do encontro de ideias de 3 mulheres, ao perceberem em si o quanto é prazeroso e enriquecedor a troca de vivencias, já que tantas vezes nos reconhecemos no pensamento e sentimento alheio. Então veio o desejo de compartilhar essa experiencia com outras mulheres..... e assim como a natureza se reveste das estações para se revelar aos nossos olhos,nós nos revestimos do falar e ouvir, para nos revelar a nós mesmas.........

domingo, 28 de junho de 2015

(imagem extraída do Google)

QUANDO SOU EU O NECESSITADO...

" Que eu faça um mendigo sentar-se à minha mesa, que eu perdoe aquele que me ofende e me esforce por amar - inclusive o meu inimigo - em nome de Cristo, tudo isso, naturalmente, não deixa de ser uma grande virtude. O que faço ao menor dos meus irmãos é ao próprio Cristo que faço.

Mas, o que acontecerá, se descubro porventura, que o menor, o mais miserável de todos, o mais pobre dos mendigos, o mais insolente dos meus caluniadores, o meu inimigo, reside dentro de mim, sou eu mesmo, e precisa da esmola da minha bondade, que eu mesmo sou o inimigo que é necessário amar? "

(Carl Gustav Jung)

sábado, 20 de junho de 2015

(imagem do google)


    4° ENCONTRO 

“O amor é isso. Não prende, não aperta, não sufoca. Porque quando vira nó, já deixou de ser laço.”
(Mário Quintana)

Nesse encontro falamos de nó e laço. 
O que verdadeiramente sentimos como um nó na nossa vida diária? 
Até que ponto estamos inteiramente dispostas a observar nossos sentimentos, confronta-los e compreender que muitas vezes ele se forma a partir de nosso íntimo, da nossa capacidade de não aceitação? 
Quem tem o poder de desatar meus nós se não eu própria? 
Na roda de conversas percebemos que a mágoa é um desencadeador de nó, quando não conseguimos compreender, aceitar e perdoar o que o outro nos faz ou o que nós mesmas fizemos  ou deixamos de fazer.  
  
MÁGOA:
“A palavra mágoa, que tem origem no latim macula, representa um sentimento de desgosto, pesar, sensação de amargura, tristeza, ressentimento.
É um descontentamento que, embora frequentemente brando, pode deixar resquícios que podem durar um bom tempo.” (dicionário online)
Que possamos cada vez mais fazer a sincera auto-avaliação, nos despindo de pré-conceitos, nos aceitando como pessoas passíveis de erro e como espíritos a caminho da evolução.

Finalizamos esse post com um trecho do texto de Leticia Thompson"Reciclagem de Vida".

Reciclagem de vida? 
Talvez sim. 
Talvez sejamos, no fim das contas, 
uma colcha de retalhos da vida. 
Mas que sejamos então uma bela colcha nova enfeitando um quarto, um coração,
talvez mesmo muitos corações e muitas vidas, a começar por nós mesmos.
(imagem do google)

AS ESTAÇÕES EM NÓS

" Daqui algumas horas finda-se o Outono e com ele o tempo necessário que precisamos para iniciar um período de introspecção.                                                                                                                    A ousadia do verão dá lugar ao espaço transitório de preparação de nossa alma para o inverno, para aquela hora de reunirmos forças, ganhar coragem e treinar a sapiência, enquanto nosso eu germina para o período da nova floração.
Observemos a natureza, as árvores se despem de suas folhas e com galhos e troncos nus, centram toda sua energia em seu interior e esperam pacientemente o sol voltar a aquecer mais calorosamente a terra, para deixar seus pequenos ramos irem aflorando pouco a pouco, até explodir com toda sua exuberância repleta de vida.
Nós também deveríamos nos interiorizar em cada inverno, e repensar valores que gostaríamos de explorar na próxima primavera. E quando chegar setembro e os dias se encherem de luz, perfume e cores, possamos dar nossa contribuição à natureza, renovados, iluminados, perfumados e coloridos, confiantes na vida que se renova a cada dia."
(Sonia Buzanello)

(imagem do google)


sexta-feira, 19 de junho de 2015

NÃO DEIXE O AMOR PASSAR

Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.
Se os olhares se cruzarem e, neste momento houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.
Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.
Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor.

Por isso, preste atenção nos sinais - não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O AMOR.

Carlos Drummond de Andrade


quarta-feira, 17 de junho de 2015

"Na janela de um botequim de Madri, um cartaz avisa:
 Proibido cantar.

Na parede do aeroporto do Rio de Janeiro, um aviso informa:
É proibido brincar com carrinhos porta-bagagem.

Ou seja,ainda existe gente que canta,ainda existe gente que brinca."

(Eduardo Galeano)


sexta-feira, 12 de junho de 2015

              OBSERVAR

Essa florzinha delicada nasceu sem que alguém a tivesse plantado. 
Minha irmã andando pelo quintal de sua casa a encontrou, um presente aos olhos.
É a natureza nos ensinando que na vida tem coisas que se fazem de forma natural.
Às vezes o que precisamos é respeitar o tempo para curar algumas feridas, secar o pranto, aliviar a dor, restaurar a esperança.
Porque tem coisas que por mais que desejamos, fogem ao nosso controle e obedecem o ritmo interno de cada um. 
E ensina, que Deus sempre cuida de nós e  para nos dar alento, coloca flores em nosso caminho. 

Filhos, família, amigos, trabalho, amores... Quais são suas flores? 

(Sônia Adriano) 



sexta-feira, 5 de junho de 2015

 HUMILDADE 
            (Cora Coralina) 

Senhor, fazei com que eu aceite
minha pobreza tal como sempre foi.

Que não sinta o que não tenho.
Não lamente o que podia ter
e se perdeu por caminhos errados
e nunca mais voltou.

Dai, Senhor, que minha humildade
seja como a chuva desejada
caindo mansa,
longa noite escura
numa terra sedenta
e num telhado velho.

Que eu possa agradecer a Vós,
minha cama estreita,
minhas coisinhas pobres,
minha casa de chão,
pedras e tábuas remontadas.
E ter sempre um feixe de lenha
debaixo do meu fogão de taipa,
e acender, eu mesma,
o fogo alegre da minha casa
na manhã de um novo dia que começa.