Quem sou eu

Minha foto
O grupo Mulheres 4 Estações,nasceu do encontro de ideias de 3 mulheres, ao perceberem em si o quanto é prazeroso e enriquecedor a troca de vivencias, já que tantas vezes nos reconhecemos no pensamento e sentimento alheio. Então veio o desejo de compartilhar essa experiencia com outras mulheres..... e assim como a natureza se reveste das estações para se revelar aos nossos olhos,nós nos revestimos do falar e ouvir, para nos revelar a nós mesmas.........

domingo, 12 de abril de 2015

2º ENCONTRO 2015

MÁSCARAS
Máscaras, quem não tem as suas? 
Quando as usamos e porque? 
Essas foram algumas das perguntas que nos fizemos nesse encontro,onde iniciamos com o resumo do texto" O Espelho" de Machado de Assis. 
Esse texto nos trouxe questionamentos pertinentes para nos fazer reconhecer que elas são usadas em várias circunstâncias e momentos,onde nos apresentamos ao meio que nos relacionamos. 
E a importância de aprender a conviver com elas sem deixar que pese ou sufoque nossa essência. 
Depois usamos o texto abaixo,para falar dos momentos e sensação que sentimos quando estamos totalmente livres de usa-las. 
O Louco (Khalil Gilbran)
Perguntas-me como me tornei louco. Aconteceu assim:
Um dia, muito tempo antes de muitos deuses terem nascido, despertei de um sono profundo e notei que todas as minhas máscaras tinham sido roubadas – as sete máscaras que eu havia confeccionado e usado em sete vidas – e corri sem máscara pelas ruas cheias de gente, gritando: “Ladrões, ladrões, malditos ladrões!”
Homens e mulheres riram de mim e alguns correram para casa, com medo de mim.
E, quando cheguei à praça do mercado, um garoto trepado no telhado de uma casa gritou: “É um louco!” Olhei para cima, para vê-lo. O sol beijou pela primeira vez minha face nua.
Pela primeira vez, o sol beijava minha face nua, e minha alma inflamou-se de amor pelo sol, e não desejei mais minhas máscaras. E, como num transe, gritei: “Benditos, benditos os ladrões que roubaram minhas máscaras!”
Assim me tornei louco.
E encontrei tanto liberdade como segurança em minha loucura: a liberdade da solidão e a segurança de não ser compreendido, pois aquele que nos compreende escraviza alguma coisa em nós.

6 comentários:

  1. Deve ter sido um lindo encontro, os textos escolhidos são maravilhosos e oferecem muitas possibilidades de trabalho.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Alô Mulheres inteligentes...Estou chegando para pedir desculpas pela demora em vir ao seu cantinho tão especial, que está muito mimoso, através dos posts mega inteligentes. Gosto muito do Gibran, ele fez parte da minha adolescência e continua eternizado em minhas leituras e já na fase pré idosa kkkkkk.
    Deus abençoe sua semana com muitos pulinhos de alegria,viu?
    Bjs no core querida, e obrigada pela sua amável presença.

    ResponderExcluir
  3. Textos muito bem escolhidos! gostei.
    js

    ResponderExcluir
  4. Para mim esse encontro foi um dos melhores. Pudemos nos questionar bastante e acredito que mesmo depois de terminada a reunião, ainda estávamos nos redescobrindo. Foi muito gratificante! Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Viajei com este texto-reflexão.
    A loucura tem tantas faces...

    bj amg

    ResponderExcluir